Traduzido para 25 línguas e com mais de um milhão de exemplares vendidos, 1001 filmes para ver antes de morrer inclui obras de mais de 30 países e revela o que há de melhor no cinema de todos os tempos. Mais de 50 críticos consagrados selecionaram 1001 filmes imperdíveis e os reuniram neste guia de referência para todos os apaixonados pela sétima arte.

Ilustrado com centenas de cartazes, cenas de filmes e retratos de atores, o livro traz lado a lado as obras mais significativas de todos os gêneros - de ação a vanguarda, passando por animação, comédia, aventura, documentário, musical, romance, drama, suspense, terror, curta-metragem ficção científica. Organizado por ordem cronológica, este livro pode ser usado para aprofundar seus conhecimentos sobre um filme específico ou apenas para escolher o que ver hoje à noite. Traduzido para 25 línguas e com mais de um milhão de exemplares vendidos, "1001 filmes para ver antes de morrer" inclui obras de mais de 30 países e revela o que há de melhor no cinema de todos os tempos.
É claro que eu, amante das duas coisas Sétima Arte e Listas , não podia deixar passar a oportunidade de trazer para vocês a lista dos filmes e os respectivos links na nossa querida mulinha que vai trabalhar sem parar por um bom tempo...rsrsrs
Lembrem-se que as datas e traduçoes dos títulos dos filmes segue a lista do livro e não do IMDb.
Sempre que necessitarem de fontes na mula é só solicitar. Abraços a todos.

NOSSOS DIRETORES

Arquivo do blog

domingo, 26 de abril de 2009

41. A PAIXÃO DE JOANA D'ARC (1928)



IMDb


Joana de Domrémy, uma mulher do povo,na França de 1431, que luta heroicamente contra a ocupação do seu país, é presa, torturada e queimada sob a acusação de blasfêmia. Transposto ao cinema por vários cineastas, Mélies, De Mille, Fleming, Uciky, Bresson, Rosslini e por último a versão Luc Besson, ainda assim a Joana D'Arc de Dreyer contínua como a mais espetacular e sensível versão. Dreyer usou a essência do cinema, a imagem, para mostrar a tragédia humana em grandes closes. Cinema em estado puro...

Crítica
"A Paixão de Joana D'arc é um clássico singular na história do cinema. Em quase sua totalidade o filme consiste em faces, ou seja, em closes extremados dos rostos dos atores. Como o filme procura retratar a alma humana, nada mais apropriado do que rostos que expressam o ser interior. Os cenários, os vestuários e demais valores da produção são extremamente simples para não distrair a atenção do público da meta de Dreyer em retratar os sentimentos humanos.

A interpretação de Faconetti, a jovem atriz de teatro que faz o papel de Joana, é considerado como um dos melhores, senão o melhor trabalho já realizado na frente das câmeras. É simplesmente magistral. Alegria, tristeza, agonia, esperança, medo e tantas outras emoções humanas são perfeitamente caracterizadas por Falconetti apenas por expressões de seu rosto. O fato desse ter sido a única incursão da atriz no cinema colabora em tornar única a sua atuação, sem comparações e, por infortúnio da atriz, a ligando eternamente ao papel de Joana D'arc.

O lado humano de Joana é confrontado com o lado desumano dos juízes que a julgam. Velhos, autoritários, ameaçadores, dogmáticos, cujo intuito é subjugar Joana, os juízes representam a inflexibilidade da Igreja diante a ameaça que ela representa aos seus interesses.

Nenhum ator do filme foi submetido a maquiagem, pois Dreyer entendia que sua aplicação poderia ocultar, ou até mesmo desvirtuar, a verdadeira face dos atores. Como conseqüência, o realismo do filme é impressionante.

Para dar maior autenticidade do filme, a maioria dos textos nos intertítulos do filme, mais precisamente os que aparecem durante o julgamento, foram extraídos dos manuscritos originais do julgamento de Joana.

Durante mais de 70 anos "A Paixão de Joana D'arc" foi um dos clássicos mais conhecidos, porém raramente visto, na história do cinema. Rodado em 1928, os negativos originais foram destruídos em um incêndio. O diretor Dreyer, para reconstruir o filme, utilizou takes alternativos e criou uma nova edição. Não era tão boa como a original, mesmo porque os takes alternativos não representam as melhores cenas que foram para a edição original. Por força do destino essa nova edição também foi perdida em outro incêndio. Nos anos 60, vários takes alternativos sobreviventes que não foram usados por Dreyer na segunda edição, foram reeditados por várias distribuidoras resultando em edições de péssima qualidade, feitas sem a supervisão de Dreyer, e que em quase nada refletiam o filme original. Só para citar como exemplo, uma dessas edições "piratas" foi colorizada e dublada com vozes de outros atores. Imaginem um filme mudo com inserção de vozes mal sincronizadas. O resultado foi atroz.

Milagrosamente, no começo dos anos 90 foi encontrada uma cópia do negativo da edição original de 1928 em um hospício na Dinamarca. Essa película estava em ótimo estado, mas precisava de uma restauração para melhor conservação. No final dos anos 90 a restauração foi concluída e o filme passou a ser exibido em amostras de cinema.

Dreyer, quando da exibição do filme em 1928, não queria que a projeção fosse feita com música ao vivo (normalmente piano), pois a música poderia distrair a atenção do público e o silêncio era a melhor forma de apreciar o lado humano da obra. Entretanto, o DVD apresenta uma trilha sonora chamada "Voices of Light", composta por Richard Einhorn em homenagem ao filme e não, originariamente, para o filme. Contudo, as músicas se mesclam com perfeição às imagens e o resultado é uma fantástica trilha sonora. Para os puristas, nada impede que se assista o filme sem som. Curioso notar que assistir com a música ou sem ela torna um tanto diferente a experiência, pois o silêncio, muitas vezes, funciona melhor nas cenas que exaltam o sofrimento humano vivido por Joana."

Screens



Link ed2K
La.Passion.de.Jeanne.d'Arc.(1928).CRiTERiON.DVDRip.DivX3LM-SChiZO.avi

Legendas
La.Passion.de.Jeanne.d'Arc.(1928).CRiTERiON.DVDRip.DivX3LM-SChiZO.ptbr

Nenhum comentário:

Postar um comentário