Traduzido para 25 línguas e com mais de um milhão de exemplares vendidos, 1001 filmes para ver antes de morrer inclui obras de mais de 30 países e revela o que há de melhor no cinema de todos os tempos. Mais de 50 críticos consagrados selecionaram 1001 filmes imperdíveis e os reuniram neste guia de referência para todos os apaixonados pela sétima arte.

Ilustrado com centenas de cartazes, cenas de filmes e retratos de atores, o livro traz lado a lado as obras mais significativas de todos os gêneros - de ação a vanguarda, passando por animação, comédia, aventura, documentário, musical, romance, drama, suspense, terror, curta-metragem ficção científica. Organizado por ordem cronológica, este livro pode ser usado para aprofundar seus conhecimentos sobre um filme específico ou apenas para escolher o que ver hoje à noite. Traduzido para 25 línguas e com mais de um milhão de exemplares vendidos, "1001 filmes para ver antes de morrer" inclui obras de mais de 30 países e revela o que há de melhor no cinema de todos os tempos.
É claro que eu, amante das duas coisas Sétima Arte e Listas , não podia deixar passar a oportunidade de trazer para vocês a lista dos filmes e os respectivos links na nossa querida mulinha que vai trabalhar sem parar por um bom tempo...rsrsrs
Lembrem-se que as datas e traduçoes dos títulos dos filmes segue a lista do livro e não do IMDb.
Sempre que necessitarem de fontes na mula é só solicitar. Abraços a todos.

NOSSOS DIRETORES

Arquivo do blog

sexta-feira, 24 de abril de 2009

34. OUTUBRO (1927)



IMDb

Terceiro longa-metragem de Eisenstein, que ele fez para comemorar os dez dias de Revolução Soviética, em 1917, durante os quais os bolchevistas derrubaram o governo Kerensky. Outra obra máxima de Eisenstein. Aqui ele usa, de forma impressionante, métodos experimentais e sofisticados de montagem, baseada no choque entre imagens para comunicar idéias abstratas, e o conceito das massas como herói. Filme obrigatório aos amantes da sétima arte, pleno de criatividade e forte apelo político social. Também conhecido como "Dez Dias Que Abalaram o Mundo".

Crítica
"Possivelmente o maior nome do cinema soviético, Sergei Eisenstein foi um dos maiores revolucionários da sétima arte. No entanto, se viu preso em um regime que controlava com rédeas curtas a produção cultural em sua nação, o que veio a reprimir seus talentos, colocando-o para servir como mera propaganda, algo que este “Outubro” vem a confirmar.

Um dos dois filmes encomendados pelo comitê cultural da União Soviética para comemorar os dez anos da Revolução de Outubro de 1917 (com o outro sendo “O Fim de São Petersburgo”, de Vsevold Pudokin), o filme – co-dirigido por Grigori Aleksandrov - tinha como objetivo servir de propaganda do regime soviético.

O longa começa com a revolução de fevereiro de 1917, a derrocada da Rússia Imperial graças à união da burguesia menchevique com a classe operária do partido bolchevique. Temos a ascensão dos mencheviques no Governo Provisório, resultando na opressão dos pobres e o sofrimento de boa parte do povo – retratada de forma bastante gráfica por Eisenstein na fita.

Paralelamente a crescente revolta popular, a narrativa no mostra os delírios de poder do Governo Provisório, com direito a referências diretas à Napoleão Bonaparte, inevitavelmente culminando em violentas batalhas, sejam políticas ou bélicas, nas quais nomes como Lênin e Stalin seriam glorificados pelas câmeras do cineasta.

O filme mostra o conflito de classes como o resultado inevitável da imposição no poder de qualquer sistema de governo se não o socialista - vide a queda do Império Russo e os meses nos quais o governo provisório esteve no comando, caindo com a revolução bolchevique de outubro, evento que dá título à produção.

No entanto, para contar esta trajetória, Eisenstein se utilizou o que chamou de “montagem intelectual”. Seria uma edição caracterizada por simbolismos, onde aquilo mostrado em cena não tem significado literal, mas metafórico, fazendo com que o público interaja com a projeção, buscando o entendimento do que esta vendo. Infelizmente, considerando a proposta do longa, esta não fora a melhor saída para contar a história da revolução socialista.

Sendo um filme que conta um evento histórico – do ponto de vista dos vencedores bolcheviques – e que busca a idealização dos ideais comunistas, o ideal seria que a fita tivesse uma linguagem mais direta e uma narrativa linear. No entanto, o que se vê em cena não poderia ser mais diferente.

Não foi a toa que vários espectadores soviéticos saíram da projeção achando o filme absolutamente ininteligível - resultando em uma reprimenda séria do Comitê Cultural vigente a Eisenstein. O cineasta investiu demasiadamente na simbologia, esquecendo de conduzir sua narrativa e se atendo a realizar meros exercícios de linguagem visual, impróprios para os objetivos da fita.

Em contrapartida, a inovação nas técnicas de edição presentes na película são dignas de aplausos, bem como sua belíssima fotografia em preto-e-branco, tornando o longa visualmente muito bonito de se ver, principalmente as lindas cenas envolvendo a estátua do czar – que encontram eco com a recente derrubada da estátua de Saddam Hussein na segunda guerra dos EUA contra o Iraque.

Além disso, o trabalho do cineasta em trabalhar com a verdadeira multidão de extras em cenas complexas é exemplar. A cena da revolta bolchevique contra a opulência burguesa é tecnicamente irrepreensível. Na referida cena também é interessante notar a conotação negativa que as terminologias “bolchevique” e “menchevique” ganham, dependendo do personagem que as pronunciam.

No entanto, o primor técnico de “Outubro” não redime a inabilidade do longa em causar reações de qualquer tipo em suas audiências, transformando o filme em apenas um interessante exercício experimental de estética cinematográfica, valendo apenas por seu valor histórico e pela bela estética do longa."

Screens



Link ed2K
October.(1927).DVDRip.DivX3LM.avi

Legendas (sync.by alsena)
October.(1927).DVDRip.DivX3LM.ptbr

Nenhum comentário:

Postar um comentário